Eficácia de glifosato + haloxifope-p-metílico em associação com outros herbicidas no controle de capim-amargoso

Autores

  • José Junior Nunes Instituto Federal Goiano - Campus Urutaí
  • Marco Antonio Moreira de Freitas Instituto Federal Goiano - Campus Urutaí
  • Tiago Pereira de Souza MultCrop
  • Wilton Lessa Silva Solo & Planta Consultoria Agronômica
  • Paulo César Ribeiro da Cunha Instituto Federal Goiano - Campus Urutaí

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2021v49n2p67-74

Resumo

O uso de herbicidas inibidores da ACCase associados ao glifosato para o controle de capim-amargo é prática comum no Brasil. Entretanto quando se tem a necessidade da utilização de latifolicidas em uma mesma operação, interações negativas podem ocorrer. Logo o presente trabalho teve como objetivo avaliar quais latifolicidas poten­cialmente reduzem a eficácia da associação glifosato + haloxifope-p-metílico, e se a redução de eficácia inicial interfere no controle do capim-amargoso (Digitaria insularis) quando aplicações sequenciais são realizadas. Dois ensaios foram conduzidos em condições de campo com delineamento em blocos casualizados com quatro repe­tições. No primeiro, avaliou-se diferentes latifolicidas associados a mistura glifosato + haloxifope-p-metílico       (1440 + 120 g ha-1), enquanto no segundo, associou a mesma mistura ao 2,4-D (1005 g ha-1), seguida da aplicação de haloxifope-p-metílico (120 g ha-1) ou paraquat (300 g ha-1) dez dias após a primeira aplicação. Avaliações visuais de eficácia (0 a 100%) foram realizadas aos 14, 21, 28 e 35 dias após a aplicação (DAA), e redução de biomassa fresca aos 35 DAA. Os herbicidas auxinicos 2,4-D e triclopir proporcionaram as maiores reduções no controle do capim-amargoso. Saflufenacil e imazetapir não apresentaram efeito negativo na eficácia de controle da associação glifosato + haloxifope-p-metílico. Quando 2,4-D foi associado a mistura padrão na primeira aplicação, a eficácia do paraquat em aplicação sequencial foi influenciada negativamente, porém, o mesmo efeito não foi observado para haloxifope-p-metílico, mostrando que no sistema de aplicações sequenciais, a adição de 2,4-D na primeira intervenção não comprometeu a segunda aplicação de graminicida.

Publicado

23/06/2021

Edição

Seção

Fitossanidade - Crop Protection