Plantas de cobertura em região de inverno seco para semeadura direta de soja

Autores

  • Carlos Eduardo Madureira Barbosa Unesp-Campus de Ilha Solteira
  • Edson Lazarini Unesp-Campus de Ilha Solteira
  • Pedro Renan Ferreira Picoli Unesp-Campus de Ilha Solteira
  • Samuel Ferrari Unesp-Campus de Ilha Solteira

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2011v39n1/2p52%20-%2064

Palavras-chave:

Glycine max, , Sorghum bicolor, Sistema Plantio Direto, matéria seca, produtividade.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da palha de quatro plantas de cobertura: sorgo granífero (Sorghum bicolor (L.) Moench), crotalária (Crotalaria juncea L.), milheto (Penisetum americanum L.) e braquiarão (Brachiaria brizantha cv. Marandu), semeadas em duas épocas e uma área em pousio, na cultura da soja em sucessão, no Sistema Plantio Direto. O trabalho foi desenvolvido no período de março/2008 a abril/2009, na área experimental da FE/UNESP, localizada no município de Selvíria – MS (51º22'W e 20º22'S, com 335m altitude), em Latossolo Vermelho distrófico.O fatorial foi conduzido em delineamento experimental de blocos casualizados, com oito repetições. As plantas forrageiras (B. brizantha e crotalária) semeadas em duas épocas não alteraram a produtividade da soja em su­cessão. A produtividade da cultura da soja sobre sorgo e milheto, semeados em março, foi maior do que aquela observada para as mesmas culturas semeadas em abril. As gramíneas utilizadas se mostraram-se como uma opção viável para a produção de massa seca da parte aérea, para semea­duras no mês de março.

 

Publicado

13/12/2011

Edição

Seção

Fitotecnia - Crop Production