Desempenho do algodão-Bt como tática de controle de pragas em condições de campo

Autores

  • Ricardo Barros Universidade Federal da Grande Dourados
  • Paulo Eduardo Degrande Universidade Federal da Grande Dourados

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2012v40n2p117%20-%20137

Palavras-chave:

Transgênico, Bollgard®, Cry1Ac, análise econômica

Resumo

Algodão-Bt (Bollgard®), que expressa resistência a lepidópteros, teve uso comercial autorizado no Brasil, no ano de 2005; por isso, há demanda por pesquisas em condições brasileiras com o intuito de avaliar seu desempenho agronômico no controle de pragas; além disso, ainda há carência de informações científicas a respeito do comportamento desta tecnologia nas diversas regiões produtoras do País. Estudos de campo foram conduzidos em Maracaju (MS), nas safras de 2006-2007 e 2007-2008, comparando uma cultivar de algodoeiro transgênico (NuOpal®) que expressa a toxina Cry1Ac (tecnologia Bt de primeira geração), com seu isogênico não transgênico (DeltaOpal®). Os experimentos foram instalados com seis repetições para cada tratamento. Dez linhas de cultivo com dez metros de comprimento constituíram a parcela, onde foram monitoradas e manejadas as populações de artrópodes-praga associadas ao algodoeiro, sob condições que simulam campos comerciais de produção de algodão. Os resultados das duas safras indicam a eficiência agronômica do algodão-Bt no controle de Heliothis virescens e Alabama argillacea, onde a cultivar resistente a estas pragas proporcionou aumento na receita líquida da produção de algodão, à época, de R$ 434,18.ha-1 e de R$ 135,12.ha-1 para as safras de 2006-2007 e 2007-2008, respectivamente; ganhos estes correlacionados ao aumento da produtividade e à diminuição com custos para o controle de pragas-alvo da tecnologia.

Arquivos adicionais

Publicado

22/11/2012

Como Citar

BARROS, R.; DEGRANDE, P. E. Desempenho do algodão-Bt como tática de controle de pragas em condições de campo. Científica, Dracena, SP, v. 40, n. 2, p. 117–137, 2012. DOI: 10.15361/1984-5529.2012v40n2p117 - 137. Disponível em: https://cientifica.dracena.unesp.br/index.php/cientifica/article/view/329. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Fitossanidade - Crop Protection