Teores de nutrientes e metais em Hyssopus officinalis cultivado em solo argiloso com fertilização orgânica e mineral.

Autores

  • Affonso Celso Gonçalves Jr. Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
  • Herbert Nacke
  • Gustavo Ferreira Coelho
  • Daniel Schwantes
  • Endrigo Antônio de Carvalho Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
  • Alice Jacobus de Moraes Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UNIOESTE

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2013v41n2p251-261

Palavras-chave:

Fitodisponibilidade, metal pesado, fertilização, dejeto suíno, hissopo.

Resumo

Devido aos muitos benefícios do uso de plantas medicinais e de sua demanda crescente, são necessárias pesquisas que relacionem práticas culturais e o aumento da produtividade destas culturas. Uma destas práticas diz respeito ao uso de biofertilizantes de origem suína; entretanto, em alguns casos, estes podem apresentar teores de elementos tóxicos e ocasionar graves problemas ambientais. Diante do exposto, este trabalho teve por objetivo determinar a disponibilidade de nutrientes e metais pesados tóxicos presentes em plantas de hissopo (Hyssopus officinalis), cultivadas com fertilizante orgânico proveniente da suinocultura e fertilizante mineral. O experimento foi conduzido em casa de vegetação durante o ano de 2010. Os tratamentos foram arranjados em esquema fatorial (2x3), dispostos em delineamento experimental inteiramente casualizado (DIC), sendo dois tipos de fertilização (orgânica e mineral), em três doses (sem adubação, dose recomendada e o dobro da dose recomendada), totalizando seis tratamentos com quatro repetições. Aos 60 dias após a semeadura, foram determinados nas plantas de hissopo os teores de macro e micronutrientes, metais pesados (Cd, Pb e Cr),massa seca de parte aérea e acúmulo de nutrientes. A adubação orgânica promoveu maiores acúmulos de P, Ca, Mg e Fe na parte aérea das plantas de hissopo, que, junto ao N, favoreceu a produção de matéria seca, enquanto a adubação mineral proporcionou maior acúmulo de Zn e Mn. Para o metal pesado tóxico Pb, apesar de este não diferir estatisticamente entre as adubações, seu efeito acumulativo, associado a cultivos sucessivos, pode ocasionar concentrações perigosas deste elemento nas plantas.

Biografia do Autor

Affonso Celso Gonçalves Jr., Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Bolsista Produtividade em Pesquisa pela Fundação Araucária e concluiu recentemente em 2011 um estágio Pós-Doutoral de curta duração realizado na Universidade de Santiago de Compostela (Espanha) e também um Pós-Doutorado em Ciências Ambientais na UFG-GO (Brasil) finalizado em 2010. Affonso é Professor Associado da UNIOESTE-PR e atua como docente e pesquisador do Centro de Ciências Agrárias, ministrando aulas na área de Química. Atua como docente e orientador no Programa de Mestrado e Doutorado em Agronomia na área de Meio Ambiente e Sistemas de Produção Sustentáveis.

Publicado

29/10/2013

Edição

Seção

Solos e Nutrição de Plantas - Soils and Plant Nutrition