Enraizamento de inhame em meios MS e carvão ativado

Autores

  • Karine da Silva Simões Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Lucymeire Souza Morais Lino Embrapa Mandioca e Fruticultura
  • Antônio da Silva Souza Embrapa Mandioca e Fruticultura
  • Sebastião de Oliveira e Silva Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Carlos Alberto da Silva Ledo Embrapa Mandioca e Fruticultura

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2014v42n2p164-169

Resumo

Microestacas foram cultivadas em: metade da concentração de sais e vitaminas do meio de cultura MS (½ MS) + 0 g L-1 de carvão ativado (CA); ½ MS + 0,5 g L-1 CA; ½ MS + 1,0 g L-1 CA; (MS) + 0 g L-1 CA; MS + 0,5 g L-1 CA, e MS + 1,0 g L-1 CA. O efeito do meio de cultura só se mostrou significativo nas concentrações de 0 e 1 g de carvão ativado para a altura das plantas. O número de raízes formadas nas plantas de inhame cultivadas in vitro não apresentou diferença estatística entre as concentrações do meio de cultura MS e doses de carvão ativado estudadas; entretanto, no meio ½ MS com adição de 1 g L-1 de carvão ativado, foi a mais favorável no desenvolvimento das raízes. Concluiu-se que, para um melhor desenvolvimento da parte aérea e do sistema radicular das plantas, recomenda-se o uso de metade da concentração de sais e vitaminas do meio MS, e que o maior número de raízes ocorre em meio acrescido com carvão ativado.

 

Biografia do Autor

Karine da Silva Simões, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Mestre em Ciências Agrárias. Area de Concentração: Fitotecnia

Lucymeire Souza Morais Lino, Embrapa Mandioca e Fruticultura

Pós-doutoranda, PNPD/CAPES

Antônio da Silva Souza, Embrapa Mandioca e Fruticultura

Pesquisador - Embrapa Mandioca e Fruticultura

Sebastião de Oliveira e Silva, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Professor Visitante Senior UFRB/Capes

Carlos Alberto da Silva Ledo, Embrapa Mandioca e Fruticultura

Pesquisador - Embrapa Mandioca e Fruticultura

Publicado

02/06/2014

Edição

Seção

Fitotecnia - Crop Production