Simulação e validação de um modelo matemático para o perfil de temperatura do milho armazenado em silo-bolsa

Autores

  • Roberta Martins Nogueira Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Campus de Sinop
  • Bruna Bono Herrera Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Campus de Sinop
  • Solenir Ruffato Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Campus de Sinop
  • Evaldo Martins Pires Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Ciências Naturais, Humanas e Sociais Campus de Sinop

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2014v42n4p330-337

Resumo

O aumento da produção de grãos e o déficit da capacidade estática de armazenamento têm obrigado alguns produtores a estocar milho safrinha a céu aberto, principalmente no Estado do Mato Grosso. O uso de silos-bolsas é uma alternativa de curto prazo ao armazenamento tradicional em nível de fazenda. Sabendo-se que o comportamento da temperatura dos grãos durante a armazenagem é fator preponderante para sua qualidade final, objetivou-se simular numericamente, por meio da técnica da dinâmica de fluidos computacional (CFD), a distribuição da temperatura de uma massa de milho armazenada durante quatro meses em silo-bolsa e validar os dados encontrados com a medi­ção em condições reais. As simulações foram realizadas com base nos dados de temperatura média do ar da região (24 ºC) e temperatura média da massa de milho no momento do armazenamento    (31 ºC). Os resultados obtidos pelas simulações mostraram que, de duas semanas a um mês de armaze­namento, a temperatura da massa de grão tende a entrar em equilíbrio com a temperatura do ar externo, e que ao final do período de armazenamento, toda a massa de milho alcançou o equilíbrio térmico. As temperaturas encontradas, tanto simuladas quanto medidas, demonstraram que a massa de grãos se mantém com temperatura média inferior a 35 °C, o que garante perdas mínimas de maté­ria seca do produto. Assim, pode-se concluir que o silo-bolsa é uma alternativa viável do ponto de vista da manutenção da temperatura segura para o armazenamento de milho por até quatro meses.

Biografia do Autor

Roberta Martins Nogueira, Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Campus de Sinop

Possui graduação em Engenharia Agrícola e Ambiental pela Universidade Federal de Viçosa (2007), mestrado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa (2008) e doutorado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa (2011). Atualmente é professora da Universidade Federal de Mato Grosso. Tem experiência na área de Engenharia Agrícola, com ênfase em Energização Rural e Pré-Processamento de Produtos Agrícolas, atuando principalmente nos seguintes temas: pós-colheita, energias renováveis e meio ambiente

Bruna Bono Herrera, Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Campus de Sinop

Estudante de graduação em Engenharia Agrícola e Ambiental

Solenir Ruffato, Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Campus de Sinop

Pré-processamento de produtos agrícolas.

Evaldo Martins Pires, Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Ciências Naturais, Humanas e Sociais Campus de Sinop

Pragas de grãos armazenados.

Publicado

21/11/2014

Edição

Seção

Engenharia Rural/Agrícola - Rural/Agricultural Engineering