Marcha de absorção de nitrogênio de cultivares de arroz de terras altas com diferentes tipos de plantas

Autores

  • Rita de Cássia Felix Alvarez xxxxxxxxx
  • Carlos Alexandre Costa Crusciol .
  • João Domingos Rodrigues .
  • Angela Cristina Camarim Alvarez .

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2006v34n2p162%20-%20169

Resumo

O uso da irrigação por aspersão na cultura do arroz é prática relativamente recente no Brasil, e o manejo da adubação, principalmente nitrogenada, ainda não está bem definido. Estudos da marcha de absorção de nutrientes existentes para a cultura do arroz foram realizados há mais de vinte anos, utilizando cultivares tradicionais de sequeiro. Assim, com o surgimento de cultivares melhoradas para o sistema de terras altas, é possível que estas absorvam diferencialmente o nitrogênio e possem ter sua máxima absorção em estádios distintos de desenvolvimento. O presente trabalho teve como objetivo avaliar o acúmulo de matéria seca, marcha de absorção de nitrogênio e índice de colheita de cultivares de arroz de terras altas com diferentes tipos de plantas. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados, com sete repetições. Os tratamentos foram as cultivares Caiapó (grupo tradicional), Primavera (grupo intermediário) e Maravilha (grupo moderno). Concluiu-se que: entre os estádios de iniciação da panícula, florescimento e enchimento de grãos a cultivar Primavera apresentou maiores valores de acúmulo de matéria seca comparado às cultivares Caiapó e Maravilha. Independentemente da cultivar, cerca de 82% do N-total foi absorvido no período entre os estádios de perfilhamento e o de florescimento. A cultivar Primavera apresentou maior índice de colheita (0,5) e maior número de espiguetas por panícula, do que as cultivares Caiapó e Maravilha, o que resultou em maior incremento do potencial produtivo de grãos para essa cultivar.Palavras-chave adicionais: Oryza sativa L.; matéria seca; produtividade de grãos; índice de colheita.

Edição

Seção

Zootecnia - Animal Production