A importância da gestão na competitividade dos cafezais da Alta Mogiana Paulista

Autores

  • Gabriel Diniz Faleiros Mestrando em Administração pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP); Departamento de Economia, Administração e Sociologia; Av. Pádua Dias, 11, Piracicaba/SP CEP 13418-900
  • Antonio Bliska Júnior Faculdade de Engenharia Agrícola – FEAGRI/UNICAMP.
  • Patrícia Helena Nogueira Turco Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA).
  • Flávia Maria de Mello Bliska Centro de Café “Alcides de Carvalho” – Instituto Agronômico de Campinas (IAC).

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2020v48n1p01-16

Palavras-chave:

café, indicadores de gestão, microrregião de Franca, MIGG, qualidade

Resumo

A demanda mundial por cafés de alta qualidade é crescente, valorizando e promovendo a qualidade do campo ao consumidor. A gestão interna contribui para aumentar a qualidade da bebida e competitividade do setor. A Alta Mogiana Paulista (AMP) produz cafés de excelente qualidade, apresenta expressiva produção cafeeira devido às condições edafoclimáticas favoráveis e detém selo de Indicação de Procedência provida pelo INPI. Pedregulho, Franca, Cristais Paulista e Ribeirão Corrente são os maiores produtores da AMP. Este estudo objetiva identificar o grau de gestão das propriedades cafeeiras da AMP e os critérios que contribuem para os níveis de gestão, além de identificar padrões que refletem na competitividade regional. Utilizou-se o Método de Identificação do Grau de Gestão, constituído por questionário com 64 indicadores, abrangendo oito critérios de gestão, classificado em níveis de um (inferior) a nove (superior). Foram aplicados 80 questionários. Nota-se pontuação elevada na AMP, para todos os requisitos avaliados, superior aos do Estado de SP e Brasil. A média do grau de gestão é 8,51 e a mediana é 9. Há forte interação cooperativista e adoção de assistência técnica. Os indicadores específicos da gestão da qualidade dos grãos foram elevados, superiores aos do Estado de SP e do Brasil.

Biografia do Autor

Gabriel Diniz Faleiros, Mestrando em Administração pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP); Departamento de Economia, Administração e Sociologia; Av. Pádua Dias, 11, Piracicaba/SP CEP 13418-900

Bacharel em Agronomia pela UNESP Jaboticabal.

Antonio Bliska Júnior, Faculdade de Engenharia Agrícola – FEAGRI/UNICAMP.

Doutor em Engenharia Agrícola pela FEAGRI/UNICAMP.

Patrícia Helena Nogueira Turco, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA).

Doutora em Agronomia (Energia na Agricultura) pela UNESP.

Flávia Maria de Mello Bliska, Centro de Café “Alcides de Carvalho” – Instituto Agronômico de Campinas (IAC).

Doutora em Ciências (Economia Aplicada) pela ESALQ/USP.

Publicado

19/03/2020

Edição

Seção

Economia Rural - Rural Economy