Crescimento e produtividade do girassol na segunda aplicação de lodo de esgoto em diferentes manejos

Autores

  • Thomaz Figueiredo Lobo FACULDADE DE CIENCIAS AGRONOMICAS DE BOTUCATU - UNESP
  • Helio GrassiI Filho FACULDADE DE CIENCIAS AGRONOMICAS DE BOTUCATU - UNESP
  • Hugo Alexandre Coelho FACULDADE DE CIENCIAS AGRONOMICAS DE BOTUCATU - UNESP

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2012v40n1p69%20-%2076

Palavras-chave:

biossólido, material orgânico, nitrogênio, sustentabilidade

Resumo

A utilização do lodo de esgoto em solos agrícolas vem tornando-se uma importante prática devido a sua riqueza em nutrientes, incremento de carbono e melhorias das propriedades físicas, químicas e biológicas do solo. O objetivo deste trabalho foi avaliar o crescimento e a produtividade do girassol em função da aplicação do lodo de esgoto por dois anos consecutivos. O experimento foi conduzido na Fazenda Experimental da Faculdade de Ciências Agronômicas da UNESP de Botucatu, em São Manuel, situada nas coordenadas 22º25’ Latitude Sul, 48º34’ Longitude Oeste, com altitude de 750 metros. O solo é caracterizado como Latossolo Vermelho. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, constituído por 6 tratamentos e 5 repetições. A cultivar de girassol utilizada foi a HELIO 251, semeada em 28-11-2005. Os tratamentos foram os seguintes: T0 - sem adubação nitrogenada; T1 – adubação química convencional; T2 – 50% do N proveniente do lodo de esgoto e 50% da adubação química nitrogenada em cobertura; T3 – 100 % do N proveniente do lodo de esgoto; T4 – 150% do N proveniente do lodo de esgoto; T5 – 200% do N proveniente do lodo de esgoto. A dose de 150% de N proveniente do lodo de esgoto proporcionou um incremento na altura, diâmetro do caule e número de folhas do girassol. A combinação de 50% lodo de esgoto e 50% de adubação nitrogenada mineral proporcionou produtividade de aquênios superior à da adubação química convencional.

 

Publicado

17/05/2012

Edição

Seção

Solos e Nutrição de Plantas - Soils and Plant Nutrition