Efeito das estações do ano e do ácido indolbutírico no enraizamento de estacas de variedades de minirroseira (Rosa spp.)

Autores

  • Isabele Sarzi
  • Kathia Fernandes Lopes Pivetta

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2005v33n1p62-68

Resumo

As minirroseiras são propagadas por estacas colocadas para enraizar diretamente nos vasos; as perdas no enraizamento afetam diretamente a qualidade final dos vasos que irão para o mercado. Visando, portanto, a estabelecer técnicas que permitam menores perdas e maior qualidade do sistema radicular formado, este trabalho objetivou estudar o efeito das estações do ano e do ácido indolbutírico (IBA) no enraizamento de estacas de cinco cultivares de minirroseiras, determinadas pela coloração das flores (rosa, branca, vermelha, maravilha e lilás). Os experimentos foram instalados na Unesp, Câmpus de Jaboticabal, em 6--200 (primavera), 20-2-2002 (verão), 27-5-2002 (outono) e 2-8-2002 (inverno). O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, seguindo esquema fatorial 2x5 (duas estações combinadas com cinco concentrações de IBA - 0; 500; .000; .500 e 2.000 mg kg-). As avaliações foram realizadas 20 dias após a estaquia, observando-se: porcentagem de enraizamento; número, comprimento médio e matéria seca de raízes. Concluiu-se que o enraizamento, em minirroseiras, é dependente da estação do ano; as estacas de todas as variedades estudadas não enraizaram no outono ou no inverno; o IBA foi efetivo para aumentar a porcentagem de enraizamento da variedade de flores rosas, que chegou a 99% na concentração de .000 mg kg-, porém não interferiu no enraizamento (porcentagem de enraizamento, número, comprimento e matéria seca de raízes) das demais variedades estudadas.Palavras-chave adicionais: estaquia, auxina.

Publicado

06/05/2008

Edição

Seção

Zootecnia - Animal Production