Elementos meteorológicos sobre características morfológicas e produtivas do milho em diferentes épocas de semeadura

Autores

  • Braulio Otomar Caron Universidade Federal de Santa Maria - Campus Frederico Westphalen - RS
  • Douglas Machado Oliveira Universidade Federal de Santa Maria - Campus Frederico Westphalen - RS
  • Elvis Felipe Elli Universidade de São Paulo, Departamento de Engenharia de Biossistemas, Av. Pádua Dias, 11, CEP 13418-900, Piracicaba/SP.
  • Elder Eloy Universidade Federal de Santa Maria - campus Frederico Westphalen - RS.
  • Felipe Schwerz Universidade Federal de Santa Maria, campus Frederico Westphalen - RS.
  • Velci Queiróz Souza Universidade Federal do Pampa. Campus Don Pedrito

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2017v45n2p105-114

Resumo

O presente trabalho teve por objetivo avaliar a influência dos elementos meteorológicos sobre as características morfológicas e produtivas do milho em diferentes épocas de semeadura. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos completos casualizados, em esquema fatorial 2x6, com dois híbridos de milho (Dekalb 240 e Dow AgroSciences 2A106), e seis épocas de semeadura (15-09-2013, 30-09, 15-10, 30-10, 16-11 e 03-12-2013), com três repetições. Avaliaram-se a estatura da planta, o diâmetro de espiga, o comprimento de espiga, o número de fileiras por espiga, o número de grãos por fileira, o diâmetro do sabugo, a massa de mil grãos e a produtividade. Foi realizada a análise de variância e o teste de Tukey para os fatores épocas de semeadura e híbridos. Realiza­ram-se ainda a correlação de Pearson e o procedimento de seleção de variáveis Stepwise de modelagem de regressão. As características morfológicas e produtivas dos híbridos de milho são influenciadas pelos elementos meteorológicos nas diferentes épocas de semeadura. De maneira geral, tanto o híbrido D240 como o 2A106 apresentam melhores resultados em relação às variáveis analisadas, nas semeaduras realizadas em 15-09 e 30-09. Semeaduras tardias (16-11 e 03-12) afetam negativamente o desempenho dos caracteres produtivos e mor­fológicos dos híbridos. Entre os elementos meteorológicos estudados, a temperatura mínima apresenta a maior contribuição para os valores de produtividade.

Biografia do Autor

Braulio Otomar Caron, Universidade Federal de Santa Maria - Campus Frederico Westphalen - RS

Departamento de Ciências Agronômicas e Ambientais; Área Agroclimatologia.

Douglas Machado Oliveira, Universidade Federal de Santa Maria - Campus Frederico Westphalen - RS

Departamento de Ciências Agronômicas e Ambientais; Area de Agrometeorologia

Elvis Felipe Elli, Universidade de São Paulo, Departamento de Engenharia de Biossistemas, Av. Pádua Dias, 11, CEP 13418-900, Piracicaba/SP.

Departamento de Engenharia de Biossistemas.

Elder Eloy, Universidade Federal de Santa Maria - campus Frederico Westphalen - RS.

Departamento de Engenheiro Florestal.

Felipe Schwerz, Universidade Federal de Santa Maria, campus Frederico Westphalen - RS.

Departamento de Ciências Agronômicas e Ambientais.

Velci Queiróz Souza, Universidade Federal do Pampa. Campus Don Pedrito

Departamento de Ciências Agronômicas

Publicado

07/04/2017

Edição

Seção

Agrometeorologia - Agrometeorology