Remoção antrópica líquida de carbono atmosférico em plantios de Pinus taeda L.

Autores

  • Carlos Roberto Sanquetta UFPR
  • Lucila de Almeida Vasques Fernandes UFPR
  • Francelo Mognon UFPR
  • Ana Paula Dalla Corte UFPR

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2013v41n2p138-149

Resumo

O objetivo deste estudo foi simular a remoção líquida de carbono atmosférico de um projeto florestal de MDL hipotético, que consistiu em um plantio de 7.000 ha de Pinus taeda L. no sul do Paraná. O projeto florestal de MDL foi simulado segundo os critérios previstos na versão 3 da Metodologia Apro­vada de Florestamento/Reflorestamento AR-AM0005 da UNFCCC. Para tanto, foram criados dois cenários: cenário de reflorestamento (plantio de Pinus taeda com densidade inicial de 2.500 indiví­duos por hectare, desbastes aos 8; 11; 15 e 20 anos de idade, e corte raso aos 30 anos) e cenário de linha de base (pastagem sem a presença de árvores isoladas). Todos os cálculos e estimativas ne­cessários para a simulação do projeto florestal de MDL foram realizados por meio da ferramenta TARAM v.1.3. A simulação do projeto florestal de MDL resultou na estimativa da remoção antrópica líquida de carbono de 591.475 toneladas de CO2 equivalente (tCO2e), o que corresponde a 19.716 tCO2e ano-1 e a 2,82 tCO2e ano-1 ha-1. Essa estimativa foi obtida a partir dos resultados da remoção líquida de carbono da linha de base (1.810.213 tCO2e), da remoção real líquida de carbono (2.407.820 tCO2e) e das fugas do projeto (6.133 tCO2e). Concluiu-se que o projeto florestal de MDL simulado no presente estudo é adicional no que se refere à remoção antrópica líquida de carbono atmosférico, ressaltando que mudanças nas premissas relacionadas à linha de base, ao refloresta­mento, às fugas do projeto, entre outras, podem causar alterações nas estimativas de remoção an­trópica líquida e, consequentemente, mudar a adicionalidade do projeto.

Biografia do Autor

Carlos Roberto Sanquetta, UFPR

Departamento de Ciências Florestais, manejo Florestal

Lucila de Almeida Vasques Fernandes, UFPR

pós-graduação UFPR

Francelo Mognon, UFPR

pós-graduação UFPR

Ana Paula Dalla Corte, UFPR

Departamento de Ciências Florestais, manejo Florestal

Publicado

29/10/2013

Edição

Seção

Engenharia Rural/Agrícola - Rural/Agricultural Engineering