Temperatura e umidade do solo em função do uso de cobertura morta no cultivo de milho

Autores

  • Francielle Freitas Vieira UNEMAT - Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Rivanildo Dallacort UNEMAT - Universidade do Estado de Mato Grosso
  • João Danilo Barbieri UEM - Universidade Estadual de Maringá
  • Flavio Carlos Dalchiavon IFMT - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso
  • Diego Fernando Daniel UNEMAT - Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2020v48n3p188-199

Resumo

Objetivou-se avaliar a influência de diferentes quantidades de cobertura vegetal morta sobre a temperatura e a umidade do solo cultivado com milho, em Tangará da Serra, MT. O experimento foi realizado no ano de 2016, na área experimental da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Analisou-se a resposta da temperatura do solo em clima tropical com estação seca no inverno (Aw segundo Köppen), em um Latossolo Vermelho distroférrico na região sudoeste do estado de Mato Grosso. Foram avaliados três tratamentos com duas repetições, sendo: sem cobertura vegetal; cobertura com 4 t ha-1 de massa seca de braquiária e cobertura com 8 t ha-1 de massa seca de braquiária. A temperatura foi monitorada através de sensores termopar do tipo K, instalados nas profundidades de 5-10 e 20-25 cm e para a umidade utilizou-se sondas de reflectometria no domínio do tempo (TDR), instalados a 30 cm de profundidade. A temperatura do solo foi reduzida com o uso da palhada de braquiária, principalmente na fase inicial de desenvolvimento da planta. As maiores variações na temperatura ocorreram na profundidade de 5-10 cm. O solo coberto com 8 t ha-1 reduziu a temperatura máxima do solo em até 2,9 ºC, além disso, a cobertura do solo proporcionou a redução da amplitude térmica no solo de 5,3 e 5,8 ºC, com 4 e 8 t ha-1, respectivamente. A umidade do solo foi maior no cultivo de milho com cobertura de 8 t ha-1 de braquiária.

Biografia do Autor

Francielle Freitas Vieira, UNEMAT - Universidade do Estado de Mato Grosso

Mestre em Ambiente e Sistema de Produção Agrícola

Rivanildo Dallacort, UNEMAT - Universidade do Estado de Mato Grosso

Professor do Programa de Pós Graduação em Ambiente e Sistema de Produção Agrícola

João Danilo Barbieri, UEM - Universidade Estadual de Maringá

Doutrorando em Agronomia

Flavio Carlos Dalchiavon, IFMT - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso

Professor efetivo do departamento de agronomia

Diego Fernando Daniel, UNEMAT - Universidade do Estado de Mato Grosso

Graduando em agronomia campos de Tangará da Serra

Publicado

08/09/2020

Edição

Seção

Agrometeorologia - Agrometeorology