Spatial variability of the ten-day rainfall in the months in which the sowing of soybean and winter corn begins in the state of Mato Grosso

Autores

  • Kássio De Marco UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
  • Vanessa Rakel Moraes Dias UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
  • Rivanildo Dallacort UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
  • Elis Dener Lima Alves UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
  • Rafael Cesar Tieppo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
  • Dejânia Vieira de Araújo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO
  • João Danilo Barbieri UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2016v44n4p477-484

Palavras-chave:

Principais culturas agrícolas, Krigagem, Variabilidade espacial.

Resumo

Knowledge of the spatial variability of rainfall in the state of Mato Grosso is very important in decision mak­ing, especially in agriculture, aiming at proper planning and optimization of water resources to reduce envi­ronmental impacts and increase profitability. The spatial distribution of this variable through geostatistical methods has been highlighted, but it is needed to select the best semivariance model for proper data inter­polation. Thus, the objective of this study was to evaluate the spatial and temporal variability of rainfall in the state of Mato Grosso by ordinary kriging, referring to ten-day periods in October and January, a period of great importance for the soybean crop and the cultivation of second crop corn. It was used the 75th percen­tile of the rainfall of 177 state posts of Mato Grosso and neighboring states. It was observed, through the RE, SDRE and GD values, that the exponential model adjusted better to the semivariograms. Spatial variability was observed in all the analyzed periods of ten days, and the north region of the state is the one which starts the rainy season and that has the highest rainfall rates. The ten-day average rainfall in October did not exceed 20 mm, resulting in the germination and establishment of soybean in the field, and the ten-day aver­age for January was close to 52 mm, which is considered to be harmful to the mechanical harvesting of early maturing soybeans and favorable to the grain filling of the varieties with average and late cycle, being still beneficial to the cultivation of second crop corn.

Biografia do Autor

Kássio De Marco, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

Atualmente aluno do curso de Agronomia da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, Campus de Tangará da Serra, atuando como bolsista de Iniciação Científica na área de Engenharia Agrícola/ Engenharia de Água e Solo.

Vanessa Rakel Moraes Dias, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

Possui graduação em Química pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2004), mestrado em Física Ambiental pela Universidade Federal de Mato Grosso (2011), doutorado em andamento em Física Ambiental. Atualmente é Técnica Universitária-especialidade Química da Universidade do Estado de Mato Grosso, atuando nas seguintes áreas: Ciências Ambientais e Física Ambiental.

Rivanildo Dallacort, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

Atualmente atua como Professor do Mestrado em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola - PPGASP; Professor do Mestrado em Biodiversidade e Agroecossistemas Amazônicos; Coordenador do Centro de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aplicado a Produção de Biodiesel - CETEGEO, UNEMAT, Campus Universitário de Tangará da Serra Professor Adjunto no Departamento de Agronomia da Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus Universitário de Tangará da Serra. Atua no INEP/MEC como avaliador de cursos de graduação e de instituições de educação superior; Atuante na área de Engenharia Agrícola, atuando principalmente nos seguintes temas: Agrometeorologia, Solos, Irrigação, Recursos hídricos, Meio Ambiente, Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto.

Elis Dener Lima Alves, UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Graduado em Geografia pela Universidade Estadual de Goiás (2008), Mestre em Física Ambiental pela Universidade Federal de Mato Grosso (2011). Doutorando em Ciências da Engenharia Ambiental pela Universidade de São Paulo (Desde 2011). Atualmente realiza estágio de pesquisa no Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (2013). Atua na área de Geociências (Geografia Física), com ênfase em Climatologia e Microclimatologia do Ambiente Urbano.

Rafael Cesar Tieppo, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

Possui graduação em Engenharia Agícola pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2001) e mestrado em Engenharia Agrícola pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2004). Atualmente é professor assistente da Universidade do Estado de Mato Grosso. Tem experiência na área de Engenharia Agrícola, com ênfase em Otimização Sistemas Agroindustrias, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação de projetos, unidades armazenadoras e máquinas e mecanização agrícola.

Dejânia Vieira de Araújo, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Mato Grosso (2002), mestrado em Agronomia (Fitopatologia) pela Universidade Federal de Lavras (2004) e doutorado em Agronomia (Fitopatologia) pela Universidade Federal de Lavras (2008), atuando nos seguintes temas: epidemiologia, doenças em grandes culturas, especialmente em algodão e soja, patologia de sementes e biologia molecular. Atualmente, é professora efetiva do Departamento de Agronomia da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Campus de Tangará da Serra atuando na graduação com a disciplina de Fitopatologia Geral e nos programas de mestrado em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola e de Genética e Melhoramento de Plantas.

João Danilo Barbieri, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

Graduando em agronomia na UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT campus Tangará da Serra.

Publicado

11/11/2016

Edição

Seção

Agrometeorologia - Agrometeorology