Deterioração controlada em sementes de soja armazenadas

Autores

  • Katia Van Leeuwen
  • Rubens Sader
  • Simone Aparecida Fessel
  • José Carlos Barbosa

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2005v33n1p75-82

Resumo

Este trabalho foi conduzido com o objetivo de avaliar o teste de deterioração controlada em sementes de soja armazenadas. Para tanto, foram realizadas determinações em laboratório (germinação, índice de velocidade de germinação, condutividade elétrica, envelhecimento acelerado e o teste de deterioração controlada) e no campo (emergência de plântulas). Foram utilizados três lotes de sementes de soja do cultivar 'Monsoy 894'. A germinação e o vigor das sementes foram avaliados antes do armazenamento e aos três, seis e nove meses. Para a análise estatística, utilizou-se do delineamento inteiramente casualizado (DIC), com quatro repetições para cada etapa, sendo as médias comparadas pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. Para o teste de deterioração controlada, foi utilizado o delineamento inteiramente casualizado, num esquema fatorial 3x3x3x4 [três lotes; três teores de água das sementes (5%, 20% e 25%); três temperaturas (4 ºC, 43 ºC e 45 °C) e quatro períodos de armazenamento (zero, três, seis e nove meses)]. Determinaram-se os coeficientes de correlação (r) entre os parâmetros utilizados na determinação da germinação e vigor das sementes, com os resultados da deterioração controlada, em cada etapa de armazenamento. Verificou-se que, nas condições em que o experimento foi conduzido, o teste de deterioração controlada não foi eficiente para classificar os lotes de sementes de soja.Palavras-chave adicionais: Glycine max (L.) Merrill; envelhecimento acelerado; condutividade elétrica; emergência de plântulas; testes de vigor.

Publicado

06/05/2008

Edição

Seção

Zootecnia - Animal Production