Avaliação do potencial fisiológico de sementes de couve-flor

Autores

  • Auricléia Sarmento de Paiva
  • Magnólia Mendonça Lopes
  • Saionara Maria Tesser
  • Maristela Panobianco
  • Roberval Daiton Vieira

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2005v33n1p103-105

Resumo

As hortaliças representam uma fatia importante do mercado agrícola brasileiro, sendo necessários testes adequados para a avaliação do potencial fisiológico de suas sementes. Nesse sentido, o presente estudo teve por objetivo comparar diferentes métodos para a avaliação da qualidade de sementes de couve-flor. Para tanto, cinco lotes de sementes do híbrido 'Sharon' foram submetidos aos testes de germinação, condutividade elétrica (4x50 sementes; 25 ºC; 75 mL; 2, 8 e 24 horas de embebição), envelhecimento acelerado tradicional e com solução saturada de NaCl (4 ºC; 48 e 72 horas de condicionamento). Adotou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado, sendo a comparação de médias efetuada pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. Pelos resultados obtidos, pode-se concluir que o teste de condutividade elétrica (4x50 sementes; 75 mL; 24 horas de embebição; 25 ºC) mostrou maior eficiência para detectar diferenças dos níveis de qualidade fisiológica dos lotes avaliados, o que não foi possível usando-se o teste de envelhecimento acelerado.Palavras-chave adicionais: Brassica oleracea L.; vigor; germinação.

Publicado

06/05/2008

Edição

Seção

Zootecnia - Animal Production