Análise econômica de consórcios de alface x tomate, em cultivo protegido, em Jaboticabal (SP)

Autores

  • Bráulio Luciano Alves Rezende
  • Arthur Bernardes Cecílio Filho
  • Gustavo Henrique Domingues Canato
  • Maria Inez Espagnoli Geraldo Martins

DOI:

https://doi.org/10.15361/1984-5529.2005v33n1p42-49

Resumo

O trabalho foi conduzido na Unesp, Jaboticabal (SP), no período de abril a agosto de 2002, com objetivo de avaliar a viabilidadde econômica de cultivos consorciados estabelecidos entre alface e tomate. O experimento, conduzido em casa de vegetação, constou detratamentos, sendo os consórcios e os monocultivos de alface estabelecidos aos zero, 4, 28 e 42 dias após o transplante do tomateiro. Os cultivares de tomate e alface foram, respectivamente, Débora Max e Vera. A receita e o custo de produção foram calculados a partir dos preços obtidos no mês de agosto de 2002. O custo operacional total do cultivo consorciado foi inferior à soma dos custos das culturas em monocultivo e apresentou maior rentabilidade quando as duas culturas foram instaladas na mesma época. A pequena superioridade da receita líquida obtida em consorciação das culturas com relação ao tomate em monocultivo é atribuída ao baixo valor da alface e, conseqüentemente, de sua participação na composição da receita do cultivo consorciado.Palavras-chave adicionais: Lycopersicon esculentum; Lactuca sativa; consorciação; rentabilidade.

Publicado

06/05/2008

Edição

Seção

Zootecnia - Animal Production